Bem-vindo!

Ao se registrar conosco, você poderá discutir, compartilhar e enviar mensagens privadas com outros membros de nossa comunidade.

Inscreva-se agora!
  • Olá, o tema escuro já está disponível no HT Fórum. Para usar, basta ir no final da página e clicar em (Fluent), em seguida selecione o (Fluent V2 Dark).

HDTV em São Paulo

Membro conhecido
Dec
771
1,248
A redençao da tv aberta chegando c a digital 3.0. Continuara gratuita c todos os beneficios da internet.
97cf2821b52648a4c6c5415cd062c46f.jpg
 
Membro conhecido
Aug
1,218
1,734
Em 2030 acredito vai chegar
tem cronograma, testes ja no proximo ano apos a escolha do sistema. Essa etapa pode atrasar pq foi aventado até um sistema misto com o que ha´ de melhor no europeu. Isso não pode ser açodado; temos que ter o melhor pq vai ser por muito tempo.
Deve ser bem antes que 2030, porventura em 26 na transmissão da Copa do Mundo em 4k, quiça já testes em 8k.

 
Última edição:
Membro conhecido
Feb
1,598
1,954
E não sei se alguém já publicou algo a respeito por aqui. E percebi minutos atrás que a Rede Genesis, em SAMPA, canal 17.2 encontra-se com tela preta.
 
Membro ativo
Mar
101
189
Oposição vê tentativa de intervir na TV Cultura e base de Tarcísio quer melhor alocação de recursos
ESTADÃO ONLINE - SP
16/04/2024 21:23

Governo estadual cobra que Fundação Padre Anchieta, mantenedora da emissora, corte despesas e aumente receitas.

Parlamentares da oposição na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) avaliam que a movimentação do governo Tarcísio de Freitas (Republicanos), que pretende tomar medidas para cortar gastos e aumentar receitas da Fundação Padre Anchieta (FPA), é uma tentativa de interferir na condução da TV Cultura e não um esforço para tornar a entidade mais eficiente. Por outro lado, o governo e seus aliados argumentam é preciso otimizar o gasto público e melhorar a alocação de recursos.

Tarcísio estuda promover reestruturação de três fundações: além da FPA, o governador quer realizar uma parceria público-privada (PPP) na Fundação Centro de Atendimento Socioeducativo ao Adolescente, a Fundação Casa , e considera privatizar a Fundação para o Remédio Popular (Furp).

Líder da federação PT-PCdoB-PV, Paulo Fiorilo (PT) afirma que, no caso da mantenedora da TV Cultura, o argumento de melhorar a gestão não se sustenta porque a FPA se mantém, em parte, com recursos próprios. "Não tem nada de econômico. Tem a tentativa de colocar cabresto numa instituição que tem autonomia e tem produzido peças importantes", disse o petista, mencionando a entrevista do senador Flávio Bolsonaro ao Roda Viva na semana passada. "Uma fundação plural possibilita isso".

"É uma política antidemocrática, de intervenção política no serviço público", disse o deputado Guilherme Cortez (PSOL). "O próprio governador, segundo a imprensa tem noticiado, tem se queixado que a TV Cultura não cobre ações do governo", acrescentou. O chefe do Executivo costuma tecer críticas à cobertura feita pela emissora da tragédia causada pelas chuvas ano passado em São Sebastião. A TV Cultura afirma que produziu dois documentários e 35 reportagens sobre o assunto.

A gestão Tarcísio tem cobrado que a FPA aumente as receitas próprias, como por exemplo alugando estúdios para plataformas de streaming, e promova corte de gastos. Há uma crítica ao número de funcionários: são 743 contratados via regime CLT.

O governo de São Paulo não tem ingerência direta sobre a entidade, mas mantém influência porque custeia parcela relevante do orçamento e tem três assentos no conselho curador através dos secretários estaduais de Cultura, de Educação e de Fazenda.

O conselho é responsável por eleger a diretoria executiva da fundação e definir as diretrizes de gestão. O atual diretor presidente, José Roberto Maluf, tem mandato até 2025. O órgão é formado por 47 conselheiros: três vitalícios; 20 natos, que são secretários, presidentes de conselhos estaduais, reitores universitários, entre outros; 23 eleitos com para mandatos de três anos e um representante dos empregados.

Guto Zacarias (União), vice-líder do governo, diz que mesmo que as medidas a serem tomadas pela gestão Tarcísio "não deem bilhão", é essencial que o governo estadual tenha cada vez mais espaço no orçamento para investimentos. O orçamento previsto para 2024 da Fundação Casa é de R$ 1,7 bilhão e da Furp, R$ 207 milhões.

"A função do governador é ser gestor, prezar pelo patrimônio dos paulistas e pensar onde esses recursos seriam melhores alocados", diz o parlamentar, que quer abrir uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a Fundação Padre Anchieta . "A diminuição dos recursos para as fundações não vai revolucionar o Estado, mas quantos hospitais e escolas poderiam ser construídos?", acrescenta. Ele nega que haja uma intenção de interferência nas fundações e diz tratar-se de uma preocupação com a gestão.

Outro parlamentar da base, que prefere não ser identificado, diz que o pedido do governo é que não haja viés político, qualquer que ele seja, e que a preocupação é em como tornar a fundação mais eficiente. Ele menciona, por exemplo, que há a avaliação que o tamanho da atual sede, um terreno no bairro Água Branca, demanda custos elevados com manutenção e segurança.

Tarcísio quer reestruturar fundações que lidam com menor infrator, remédio popular e TV Cultura

Aliado de Tarcísio apresenta pedido de CPI para investigar fundação gestora da TV Cultura

A Fundação Padre Anchieta afirma que quando a atual direção assumiu, em 2019, o orçamento era formado por 70% de recursos aportados pelo Estado e 30% de receitas próprias e que o quadro agora é mais equilibrado, resultado que, segundo a entidade, retrata os princípios liberais com independência no conteúdo e profissionalismo na gestão.

Fiorilo demonstra preocupação que uma PPP da Fundação Casa possa entregar a gestão das unidades à empresas ligadas ao crime organizado, já que uma série de operações policiais na última semana apontou a infiltração do Primeiro Comando da Capital em empresas de ônibus que prestam serviços para a Prefeitura de São Paulo e também em prefeituras e câmaras municipais no interior do Estado.

"A gente percebe com as matérias que estão saindo que a presença do crime organizado em vários setores que prestam serviço no Estado", declarou.

O governo de São Paulo disse que busca permanentemente ampliar as oportunidades de investimento, geração de emprego e desenvolvimento socioeconômico. "Para isso, realiza estudos e análises constantes sobre as estruturas estatais a fim de aprimorar a prestação de serviço à população e a otimização do gasto público. Em relação à Fundação Casa, os estudos que vão avaliar a viabilidade do projeto de parceria público-privada (PPP) está em fase de contratação", declarou a administração estadual.



Abaixo, um vídeo do Carlos Giannazi sobre o assunto... sabemos que quando alguém mexe em vespeiro vídeos assim surgem:


Em postagem anterior, já havia alertado sobre a matemática freestyle do presidente da FPA.
 
Top